X

“Eu olhava aquela lápide fria, por que sempre chove no dia de finados? Minha avó diz que é porque o céu está triste…”

Comecei a escrever este post como uma reedição, com alguns acréscimos, do post da Lorie de 2009 . Porém, fui ficando cada vez mais reflexiva sobre o tema e para minha surpresa eu não estava pensando nas homenagens, e sim em uma das grandes referências do WoW: A morte.

Sim, por mais bizarro que possa parecer, a morte é a única coisa presente em todas as culturas, em todos os tempos e lugares. Por um simples e óbvio motivo: todos nós morreremos um dia. Os antigos diziam para pensarmos na vida, pois a morte é certa.

Segundo um dos pais da sociologia, Émile Durkheim, em sua obra “As formas elementares da vida religiosa”, o homem tem a necessidade de criar uma religião social, com rituais coletivos e um dos grandes motivadores é a percepção da morte. Nesta mesma linha historiadores, filósofos, como por exemplo Mircea Eliade, que tem várias obras sobre religião e a morte está sempre representada de forma simbólica. A morte está presente em quase todas as culturas, sendo representada de forma personificada ou como uma entidade.

Morrer num jogo pode significar algumas coisas, um tempo de castigo, como em um Campo de Batalha, onde nosso personagem fica um tempo sem poder voltar à guerra. Pode significar que temos que voltar ao ponto onde morremos para recuperar o corpo e a forma viva, sendo que podemos, em alguns momentos sermos penalizados, como perder durabilidade de itens e mais tempo. Ou existem ainda jogos onde morrer significa literalmente perder aquele personagem, como é o modo hardcore do Diablo III. De qualquer forma, sempre se pode criar outro personagem; portanto nos jogos, a morte nunca é vista como algo definitivo e sim um impedimento temporário.

Porém, em nossas vidas reais, a morte não tem volta, não tem spirit healer. Sem teorizarmos muito sobre o que vem depois (se é que vem), temos que fazer uma reflexão sobre o que realmente interessa: A vida.

Sim, a morte e suas homenagens, tem o propósito de nos lembrar do estado oposto, que é a vida. Assim como acontece com a luz que ilumina o escuro, ter uma experiência de perda e revivê-la a cada ano no dia de finados, nos faz lembrar da vida. Dela, temos apenas uma (conhecida), portanto viva da melhor maneira que puder, deixando seu nome no hall dos heróis do seu círculo de amigos, família, trabalho e todos aqueles que te cercam. Tenham prazer e proporcionem o mesmo, pois a alegria nos brinda de bons momentos e faz com que as pessoas que nos cercam queiram estar conosco. Perdoe os erros, mas sempre corrija-os, numa atitude positiva, de quem quer ajudar a melhorar a vida do outro e dos que nos cercam.

Crie seus buffs de alegria e energia, nunca desista da vida, por mais dura que ela pareça e acima de tudo, curta, divirta-se. Momentos bons, de diversão num jogo como WoW podem marcar para sempre as mentes e corações dos amigos. Não upe sua vida pensando apenas no end game. Viva cada missão, saboreie cada comida ou bebida, lembre-se que por mais chato que seja matar seus javalis diários, eles que irão te proporcionar os XPs e reputações necessárias para se relacionar com conforto, ter coisas que te dão boas sensações e viver, não apenas sobreviver. Sempre honre os  antepassados e amigos que já se foram, lembrem-se deles com carinho, com alegria dos bons momentos e aprenda com o que ficou de bom.

Pense na morte, apenas para te lembrar do tanto que a vida é boa e tem que ser bem vivida. Aproveite e por fim, prestigie aquela pessoa que você tanto gosta e está viva, agora ao seu lado, diga o que ainda não disse e curta-a!

Nos links abaixo você pode visualizar algumas homenagens póstumas que foram feitas pelo WoW.

http://wowgirl.com.br/2009/06/01/momentos-mais-comoventes-do-wow/

http://wowgirl.com.br/2010/11/05/qual-seria-sua-homenagem-in-game/

http://www.wowwiki.com/Category:Memorials