[Roleplay] Renegada – parte 1

06/04/13, por

Um vento vindo do oeste soprou através de seus cabelos emaranhados, trazendo consigo uma torrente de memórias obscuras. Sentada sobre a grama úmida, com o olhar perdido no horizonte, Halie lembrava-se de seu primeiro dia. O primeiro dia de minha morte.             “Erga-se!”, havia dito a val’kyren. “Bem vinda ao reino dos vivos!”. Fora a primeiríssima coisa que ouvira ao despertar. A val’kyren fizera questão ainda de lhe lembrar que voltara a vida pela benção e pelo poder da Dama Sombria – mas Halie era livre para escolher se gostaria de servi-la ou não. Não se sentia exatamente viva, para falar a verdade. O que sentia era uma confusão tremenda. Nem dor, nem fome, nem frio, apenas confusão. Demorou o máximo de tempo que ousou para responder à oferta, mas acabou aceitando, graças ao pouco discernimento que conseguira juntar naquele momento. As outras opções não eram muito convidativas – ser...

[Roleplay] Renegada – parte 2

20/04/13, por

  Halie andava lentamente, resmungando baixinho, chutando as pedras que ocasionalmente apareciam em seu caminho. Depois de conversar com a Grã-boticária Jana T’veen, trazia constantemente no rosto uma expressão fechada que refletia sua preocupação e afastava qualquer um que pensasse em se aproximar. – Vai acabar refém de um desses worgens se continuar se comportando assim – alertou-lhe uma sentinela. Halie a ignorara. Ainda precisava encontrar alguns animais sãos para cumprir a tarefa – nada agradável – que lhe fora atribuída pela Grã-boticária. “Vamos precisar de entranhas frescas de animal para finalizar essa nova praga”, dissera ela. Halie não prestara atenção no resto da explicação, mas com certeza era alguma coisa sobre animais infectados que agora não podiam mais ser utilizados – nada que lhe importasse, na verdade, porque naquele momento ela finalmente descobrira, para seu horror, o que estava fazendo. Finalizar a praga! Sylvana está desobedecendo as ordens e...

[Roleplay] Renegada – parte 3

04/05/13, por

  Belmonte sentou-se calmamente e permaneceu calado por uns bons cinco minutos. Halie – que tinha aproveitado esse tempo para se recuperar – já estava quase perguntando se estava tudo bem quando o Comandante se levantou e sussurrou alguma coisa a um sicário, que saiu correndo e voltou algum tempinho depois com pergaminho e tinteiro. – Obrigado – disse Belmonte distraidamente. – Era só isso, pode sair. Halie virou-se para ir embora também, mas um resmungo do Comandante a chamou de volta: – Você fica. – ordenou, já com a pena na mão. Halie aguardou pacientemente a próxima ordem, imaginando para quem seria a mensagem que estava sendo escrita. Pelo que podia perceber, o Comandante havia refletido profundamente naqueles minutos de silêncio e agora demonstrava certa urgência em suas ações, mesmo que tentasse permanecer calmo. – Quero que leve isto até Sylvana – disse ele de repente, enquanto lacrava o...

[Roleplay] Renegada – parte 4

18/05/13, por

  Sylvana sorriu brevemente. Halie reparou que tinha no olhar aquele brilho que indicava algo especial – provavelmente uma nova ideia polêmica. – A Ilha de Fenris se posta desafiadora no coração do Lago Lordamere – começou Sylvana num tom distante. – Uma lembrança cruel de um tempo que ficou para trás. Apesar de já não estar infestada de vermes gnolls, uma nova ameaça surgiu. Refugiados humanos, expulsos de suas casas em Eira dos Montes, fugiram para a Ilha de Fenris na esperança de escapar da derrota por nossas mãos. Esse foi um grande erro. Sylvana fez um aceno e chamou Ágata, que se aproximou imediatamente, envolta em todo seu esplendor mortífero. Halie preferiu não olhá-la – ainda se sentia mal na presença das val’kyren. Tão absorta estava em sua tentativa de ignorar a presença de Ágata que levou um susto quando Sylvana voltou a falar. – Halie – continuou...



[Roleplay] Renegada – parte 5

01/06/13, por

  Ágata a largou no chão em frente à Dama Sombria, no mesmo buraco onde estiveram os cadáveres no dia em que se apresentara no Alto Comando dos Renegados. Desesperada, ainda tentando entender o que acontecera de fato, Halie levantou-se e fez uma vênia com a cabeça em sinal de respeito à Rainha. – Hum – resmungou Sylvana, olhando-a de cima. – Um tanto inesperado, eu diria. – Oh, perdão – disse Halie rapidamente. – Ágata precisou me carregar dessa forma porque… – … Crowley tem cãezinhos novos – completou Sylvana. – É, fiquei sabendo. – E quem é que contou para a Senhora? – perguntou Halie. – Com todo o respeito, Senhora. Digo, Vossa Alteza – e inclinou a cabeça alguns centímetros. – Eu vejo tudo, queridinha – respondeu a Rainha Banshee. – Ridículo. Ridículo é o que foi aquele showzinho do nojento do Crowley. Mas parece que ele...

[Roleplay] Renegada – parte 6

15/06/13, por

Halie encarou as água do Lago Lordamere, ainda não acreditando na loucura que havia cometido. Almirante Machadinha já tinha desistido de gritar seu nome havia alguns minutos, mas ainda existia um tênue zumbido vindo da máquina – isto, ou então aquilo que ouvia era só o eco da chacina de worgens que ainda reverberava pela margem vazia do Lago. Talvez seja minha consciência me condenando, pensou. Isto é, caso eu ainda tenha uma. Analisou o resultado de seu impulso devastador e resolveu que já era hora de sair dali. Não havia mais worgens à vista, exceto os mortos, cujos corpos eram carregados com delicadeza pela correnteza fraca. Os que tinham conseguido escapar, no entanto, já deviam estar chamando reforços. Ainda tinha mais tarefas a realizar. Àquela hora, imaginava que já deveria estar voltando ao Sepulcro com as insígnias dos Renegados mortos na emboscada para entregá-las a Sylvana. A despeito disso,...

[Roleplay] Renegada – parte 7

29/06/13, por

  Halie olhou para cima e encarou a Rainha Banshee com sua mais perfeita expressão de terror, achando que não havia compreendido direito. – Uma cilada? – perguntou com a voz fraca. – Oh, sim – respondeu Sylvana batendo as mãos rapidamente, após o que chamou Artura e rapidamente lhe falou algo ao pé do ouvido. A val’kyr assentiu e afastou-se em seu bater de asas lento e ritmado, e a Rainha voltou sua atenção novamente para sua Renegada. – Precisamos agir rápido, Halie. Eles não podem ter chance de escapar. Já dei ordens à Artura para que mande nossas tropas mais poderosas à Mina Elenfunda, e com eles o Cavaleiro, para garantir que nada dê errado. Deixe-os ir na frente para limpar a área e então encontre-os e se apresente ao Mestre Forteski na Mina Elenfuda, a oeste da Miséria de Olsen, e ESMAGUE aqueles ratos! Halie fez uma...

[Roleplay] Renegada – parte 8

13/07/13, por

  Viu Artura aproximar-se vagarosamente e parar ao lado do Comandante Avançado da Ofensiva, pairando a um metro e meio do chão. Halie tentou ignorá-la, mas a sombra que suas asas deitavam sobre o pátio a estava deixando irritada, bem como a expressão de quase piedade com que a val’kyr lhe encarava. – Não vou mentir para você, Halie – disse o Comandante numa voz subitamente cansada. – É praticamente suicídio que pedirei que faça. Sua chance de fracasso está perto de 95%. Halie aguardou alguns segundos, absorvendo a informação. – E por que me pediria para fazer uma coisa dessas? – perguntou, magoada. – Porque… nós…  confiamos em você – o Comandante respondeu em voz baixa. – A sua chance de falha é de 95%, possivelmente a de qualquer outro seria de cem. Em todo caso, todas as comunicações vindas do Posto Mirante do Medo cessaram. Com o worgens...

[Roleplay] Renegada – parte 9

27/07/13, por

Halie demorou mais tempo do que gostaria para balbuciar uma tentativa de resposta. Quando Rutsak perguntou “o quê?” pela segunda vez, ela torceu as mãos e respondeu-lhe novamente – mas até sua voz mais forte saiu amedrontada e com pouca convicção. – Eu vou tentar. – Não – falou o Capitão. Halie ficou confusa. – Não o quê, Capitão? – Não vai tentar – explicou. – Você não tem a opção de falhar, menina. Se diz que vai tentar, já está pensando no fracasso. Ã-ã – ele chacoalhou um dedo quando Halie meneou a cabeça em discordância. Sentou-se na beirada de uma cama antes de continuar. – Não diga que não, porque é isso, sim. Você não tem mais permissão para tentar, seja lá o que for. – Ah… eu… sim, Capitão – disse Halie, desconcertada. – Desculpe. Às suas ordens. Olhou para fora e percebeu que a chuva havia aumentado...

[Roleplay] Renegada – parte 10

10/08/13, por

Tropeçou em uma pedra solta, que rolou à sua frente pelo chão molhado, chapinhando água para os lados. A chuva diminuíra de intensidade, e agora era possível enxergar melhor o resultado de sua intervenção na base da 7ª Legião na cidade de Guilnéas. Halie preferiu desviar o olhar. Deu as costas às ruínas e correu pelo enorme portão de entrada, deixando a estrada principal assim que encontrou uma brecha. Quando chegou À Guarda de Rutsak, a fumaça preta que se desprendia dos corpos havia sido atenuada, e das chamas quase nada se via. Adentrou a pequena casa de madeira com pressa e largou-se no banco mais próximo. – Olá, Capit… – Ah, você! – Rutsak correu em sua direção. – Oi! Você o matou? Por favor, me diga que sim… Halie encarou o chão. – Matei – torceu as mãos no colo. – Oh – o Capitão abriu um sorriso apodrecido...

[Roleplay] Renegada – parte 11

24/08/13, por

  – O que eu faço? – Halie berrou para o dispositivo silencioso. – Me diga o que eu faço agora! – Pare de gritar, menina, o Comandante não vai responder – disse Rutsak. – Oh – Halie cobriu a boca com as mãos, os olhos arregalados de espanto. – Você acha que ele está… está… – Morto? – Rutsak chacoalhou a cabeça. – Claro que não, que ideia. Ele não é Comandante Avançado à toa, Halie. Sabe o que está fazendo. Só não vai responder porque deve estar ocupado demais lutando contra aqueles monstros… Oh, que terrível é isso tudo, não? Eu só gostaria de poder prosseguir na minha morte-vida em paz… Halie olhou para baixo. – Eu também – sussurrou. – Ei – Rutsak abaixou-se e olhou-a nos olhos. – Você fez muito por mim e por todos os Renegados, filha. Não devia se sentir tão mal por...